Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Maria João Worm’

SETEMBRO

 

“Outro dia”, que não este, pode ter sido ou vir a ser. Que liberdade boa há em “outro dia”. E também dá a justeza do lugar do tempo presente… só ele fica definido pelo outro. Tem em si o princípio narrativo do que pode ser exemplar, como “naquele tempo”. Embora “naquele tempo” se apresente o passado da história. “Noutro dia”, que não este, já me parece referir-se ao passado mas nada nele sugere isso, apenas se define como outro, num outro lugar?

Anúncios

Read Full Post »

Só há um carvalho no meio do prado e os bois ocupam toda a sombra das suas folhas.
Cabisbaixos, fazem cornos ao sol.
Estariam bem se não fossem as moscas.
Mas hoje, na verdade, elas devoram.
Agrestes e em grande número, as negras colam-se como placas de fuligem aos olhos, às narinas, inclusive às comissuras dos lábios, enquanto as verdes preferem sorver uma escoriação mais recente.
Quando um boi sacode o seu avental de couro ou bate com o casco na terra seca, a nuvem de moscas desloca-se, murmurante. Dir-se-ia que fermentam.
Faz tanto calor que as velhas, às portas, farejam a trovoada e põem-se a gracejar:
– Vamos ter fogo-de-artifício! – exclamam elas.
Ao fundo, uma primeira lança luminosa rasga o céu, sem ruído. Cai uma gota de chuva.
Os bois, precavidos, erguem a cabeça, deslocam-se até à beira do carvalho e sopram pacientemente.
Sabem que estão a chegar as moscas boas que vêm expulsar as más.
A princípio escassas, uma a uma, depois em magote, todas juntas, precipitam-se do céu destroçado sobre o inimigo que vai cedendo aos poucos, abrindo clareiras e bate em retirada.
Daí a pouco os bois, todos a escorrer desde focinho achatado até à cauda infatigável, bamboleiam-se de satisfação sob o enxame vitorioso das moscas de água.

Jules Renard, Histórias Naturais. Ilustração de Maria João Worm, tradução de Carlos Pombo. Edições Quarto de Jade, 2015.

Read Full Post »

Screenshot da loja de livros, site Quarto de Jade.

Mantendo uma acessibilidade permanente, a loja do site Quarto de Jade divide-se em seis secções diferentes cujos trabalhos visuais têm por raiz ou simbiose uma estreita ligação com as palavras; nomeadas ou escritas. Pintura, gravura, ilustração, pranchas originais de banda desenhada, livros e serigrafias complementam um conjunto de trabalhos disponíveis para usufruto directo, além de acrescentarem às secções não comerciais deste site uma outra visualidade da expressão desenvolvida por Maria João Worm e Diniz Conefrey.

Nesta loja destacamos de forma particular a secção de Livros, sobretudo por aí se encontrarem os títulos das edições Quarto de Jade, cuja primeira edição remonta ao ano de 2007 com Electrodomésticos classificados. Todos os títulos que foram publicados até esta data encontram-se acessíveis para encomenda no site, sem custo de portes. Clicando sobre o quadrado da imagem, será apresentada a capa assim como uma breve descrição dos conteúdos, além das características mais específicas do objecto. Por debaixo desse quadrado, clicando na indicação de PDF, poderá ter acesso a duas páginas interiores referente à publicação que queira consultar.

Capa do primeiro livro publicado pelas edições Quarto de Jade e o título mais recente, Nagual, de 2017.

Os pagamentos podem ser efectuados por Paypal ou por transferência bancária, neste último caso através do email suporte@quartodejade.com. Das vendas entretanto efectuadas estima-se a entrega por correio normal, em embalagem de acondicionamento apropriado, num prazo de três dias úteis; no caso de Portugal continental. Deixamos pois este convite a conhecerem e partilhar os livros que publicamos: http://www.quartodejade.com/shop_books.php

Read Full Post »

Maria João Worm no Festival Internacional de Beja, 2012.

No próximo dia 4 de Junho – Domingo – estaremos na Feira do Livro para uma sessão de autógrafos, entre as 16.00h e as 19.00h, junto ao pavilhão B09/B11 da Europress que terá disponível os livros que fazem parte da nossa chancela editorial. Neste dia terá particular destaque a edição Os Animais Domésticos, de Maria João Worm, apresentando-se como o livro do dia. Paralelamente, Diniz Conefrey receberá todos os interessados que tenham gosto de ver o livro Meteorologias assinado com um desenho pelo autor. Livros objecto, livros de ilustração transversal a todas as idades assim como narrativas gráficas publicadas pela edições Quarto de Jade, estarão disponíveis ao longo da próxima Feira do Livro de Lisboa com as vantajens inerentes às características deste evento.

Read Full Post »

Lisboa

«Vinte escritores e vinte ilustradores partilham a sua Lisboa secreta, nostálgica, imaginária, histórica, perdida, subterrânea, suja ou utópica. De Guia Ler e Ver no bolso, o leitor, seja ele turista, morador temporário, visitante curioso ou mesmo alfacinha, poderá percorrer os mais inesperados itinerários lisboetas e conhecer diferentes cidades que habitamos no nosso quotidiano sempre feito de memórias longínquas, momentos marcantes, dias horrorosos ou pequenos-almoços corriqueiros.»

Uma breve nota para acrescentar, ao texto da contracapa desta edição da Egeac, que uma das participações neste guia colectivo são 4 páginas da autoria de Maria João Worm, descrevendo sumariamente um percurso que vai do Jardim das Conchas ao Museu da Marioneta. A ilustração contemporânea desta edição conta com autores diversificados, tanto em termos gerecionais como das expressões que lhes são próprias, unidas pelo fio da continuidade temporal.

Lisboa 1

Read Full Post »

quadro

OVO/VÔO . 72,2X107,5 cm .Técnica mista s/ madeira . 2016. Maria João Worm.

Registo de uma passagem que atravessa o tempo da insónia usando as palavras como reflexão e passatempo.

Nesse silêncio, com o corpo deitado, aparentemente quieto, aparecem imagens que procuram o seu significado.

E se as palavras forem desenhos inscritos dentro das formas que designam?

Exposição de pintura patente na Galeria Monumental de 9 de Abril a 14 de Maio de 2016.

Campo dos Mártires da Pátria, 101 Lisboa. De terça a sábado, das 15.00h às 19.30h (excepto feriados).

A exposição é acompanhada por um catálogo de 36 páginas  com o registo de todas as obras expostas , complementado  na última página interior com um texto.

No catálogo apresentam-se montagens “virtuais” feitas a partir da sobreposição de pinturas* que, nesta exposição,  se encontram formando um par.

Disponível neste link.

Catálogo 1

 

Catálogo 2

 

Catálogo 3

* Pinturas em acrílico conversando com o que ficou à espera, vindo de outras exposições.

 

 

Read Full Post »

O mais recente título publicado pela Quarto de Jade é um livro da autoria de Jules Renard com ilustrações de Maria João Worm e tradução de Carlos Pombo. Este livro de 168 páginas, formato 21 x 15 cm, tiragem de 50 exemplares numerados, apresenta-se com capa dura contendo 27 estampas, a cores, coladas, tendo o PVP de 30.00€. Encontra-se disponível para venda na loja do site, através deste link.

Naturais

«Jules Renard nasce em 1864 e morre em 1910. Terei lido pela primeira vez as Histórias Naturais, com a idade aproximada de quando ele as escreveu e agora ilustro-as com a idade igualmente próxima da data da sua morte.

Eu apenas converso com ele, imagino-o como o rapaz ruivo que foi, e é dessa cor que pinto a luz reflectida na matéria das imagens e o azul serve para representar o céu ou a substância líquida.

Os textos que se organizam neste livro em sequência temática, numa sucessão quase diarística, têm a forte presença de serem descrições tornadas possíveis por uma observação directa tirada de acontecimentos vividos na primeira pessoa. Presença indispensável para reproduzir em palavras a exacta anatomia do movimento da Natureza, a ela se acresce uma ruminação autorreflexiva, que vai tomando em cada história tonalidades diferentes. No fluir aparentemente descontraído da sucessão dos textos, por vezes há contaminação no tema ou no tom da escrita, o que dá ao livro uma aragem: a graça de uma floresta ou de flores em baldios, crescendo condicionadas pela livre ocorrência do que não escolhem.

Diferentes seres partilham a condição de estarem vivos, relacionando-se no seu território, nem sempre de um modo pacífico, e em muitas histórias ensaia-se a contradição humana, inquirindo-se o convívio entre prazer e repugnância. À humanidade é dada apenas uma qualidade que se lhe acresce aos demais seres vivos, a consciência da responsabilidade sobre o seu desejo de domínio e violência gratuita.»

(Excerto do texto introdutório desta edição ilustrada, 2015 Quarto de Jade)

a_cabra

moscas_de_água

Read Full Post »

Older Posts »