Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Postigo’ Category

ADVERTÊNCIA AO LEITOR

Depois de termos tido o privilégio de assistir ao espectáculo, no passado sábado dia 17 de Novembro, que Laurie Anderson generosamente incluiu no Leffest, na sala do cinema Nimas, deixamos aqui o tweet do grito que a performer também suscitou com a audiência de Lisboa.

Anúncios

Read Full Post »

Enquanto a maioria das pessoas apenas interpreta a cor através do sentido visual, alguns indivíduos têm uma relação com esta por sinestesia: a capacidade excepcional para saborear, ouvir, sentir e cheirar a cor (outras formas de sinestesia permitem ver um cheiro, ouvir um sabor e assim por diante). Apesar dos cientistas não terem sido capazes de explicar este pequeno circuito sensorial, a sinestesia produz uma imagem mental imediata, como um número ou um aroma, evocado por certas cores.

Ouvir música ao ver cores é uma reacção sinestésica comum, o que leva vários compositores a caracterizar desta forma as suas composições. Schubert, por exemplo, ligava a escala E menor “a uma rapariga vestida de branco e com um laço rosa-vermelho ao seu peito”. Sentir as cores também é prevalecente entre as crianças, povos ditos primitivos, pessoas psicóticas e indivíduos que tomam alucinógenos.

Na linguagem a sinestesia (do grego – syn – união e esthesia – sensação) designa a junção semântica de planos sensoriais diferentes. Neste caso é criada uma figura de linguagem em que a qualidade de um sentido atribuído a outro (por exemplo: doce vento) emerge numa expressão característica de uma determinada categoria de poetas. Os versos serão tão mais ricos quanto os sentidos cruzados numa única conjugação sensorial.

As particularidades da sinestesia são, porém, mais abrangentes do que estes exemplos, fazendo parte de reflexões no campo das relações com a estética, o conhecimento e a percepção humana; tendo em vista o sistema de multiplas inter-conexões presentes no cérebro. Quando um dado sensório entra nesta rede poderá ser comparado com um seixo lançado numa lagoa: as ondulações espalham-se formando círculos concêntricos activando sensações em todas as áreas sensoriais. O quadro social de “psicologia normativa” tende a mitigar este fenômeno natural que interconecta os vários sensos, normalmente adormecidos e que também podem ser reactivados pela importância que a sensibilidade tem na vida humana. Este não é um processo apenas presente na arte mas de todas as ciências – humanas, exactas e biológicas.

Read Full Post »

SOPRO

Ilustração de Maria João Worm, 2011.

Era branco. Sabes quando não se consegue dormir e a luz fica na parede, projectada? Podemos estragar a imagem que se constituiu por anos e anos de ignorância. Sim. É o respiro das palavras. Sabes, ficam assim. Tontas. Assim. Sabes como é. A parecer assim e vai não vai. Assim. Sandálias desatadas. Nunca. Assim mesmo nunca, para nenhum lugar. E vamos fazer delas sapatos de segunda que nunca souberam proteger os pés. Pois claro que não. Pois somos de bom fundo e sabemos ver a subtileza da dor. Não sabíamos nada das cores. Respirávamos nas alcovas do desejo com um amor secreto por tudo aquilo que está para vir, com o mistério e a pureza do mundo que não fora feito pela humanidade. Calaram-se as vozes e ergueu-se o poema. No espanto da solidão caminha-se de mãos dadas. Mãos trémulas, por vozes hesitantes mas que aspiram à finalização da vida que respirada por dentro se transforma. E transforma em quê? A pergunta está deslocada, transforma-se porquê? Porque de súbito renasce a vontade de sentir. Não é aquela luz caduca e fugaz dos espectáculos mas a permanência do verbo que sente e que se altera pela combustão das cicatrizes de tudo o que, por intocável, aspira à libertação do amor.

Read Full Post »

CONTAGEM DO TEMPO

Ombú de Pedro Figari. Óleo sobre cartão. Uruguai.

E entramos no ano novo sem esquecer as muitas vidas queimadas, as árvores, a terra violentada durante o ano anterior pelas alterações impostas por uma inteligência produtiva, sem capacidade de sentir a riqueza da vida no seu interior mais profundo. Amâgo que as capacidades intelectuais não conseguem ver pois o deslumbre e a distracção são os vícios de uma tecnologia confortável. Ouvimos dizer: «isto podia ser tão bom para toda a gente.» No fundo trata-se de um enunciado egoísta que envolve o facto de quem o diz se sentir mal com o que tem. Os outros, sejam seres sencientes ou passivos, estão lá para justificarem as necessidades morais e materiais do indivíduo: «não tenho o que preciso, preciso do que não tenho e a que acho que tenho direito.» Indignado, o corpo social do meio, esquece os que não têm margem para se manifestar porque apenas sobrevivem. O “eu”, da vivência ou das ideologias, ainda não acordou para reconhecer que apenas é o que critica nos outros. A orquestra continua a entoar as suas notas flutuantes, no palco do salão de festas, enquanto o Titanic se afunda arrastando os múltiplos acontecimentos numa gesta em fragmentação.

Read Full Post »

AS PLANTAS

 

 

«A Botânica é o estudo apropriado para um solitário ocioso e preguiçoso: um estilete e uma lupa constituem todo o equipamento de que precisa para as observar. Passeia, vagueia livremente de um objecto para outro, analisa cada flor com interesse e curiosidade e, logo que começa a aprender as leis da sua estrutura, saboreia, ao observá-las, um prazer sem esforço, tão intenso como se lhe tivesse custado muito. Há nessa ocupação um encanto que só se sente quando todas as paixões se acalmam, mas que basta para tornar a vida feliz e amena; porém, mal a ele se mistura o interesse ou a vaidade, quer seja para ocupar um lugar quer para fazer livros, mal se queira aprender só para ensinar, mal se começa a colher plantas para se passar a ser autor ou professor, todo esse doce encanto se desvanece, já não se vê nas plantas senão instrumentos das nossas paixões, já não se descobre nenhum prazer verdadeiro no seu estudo, já não se quer saber mas apenas mostrar que se sabe, e está-se nos bosques como se estaria no teatro do mundo, com a única preocupação de se ser admirado; ou então, limitando-nos, quando muito, à Botânica de gabinete e jardim, em vez de observarmos os vegetais na natureza, preocupamo-nos com sistemas e métodos, motivos eternos de discussão, que não dão a conhecer uma só planta a mais e não lançam qualquer luz verdadeira sobre a história natural e o reino vegetal. (…)

 

 

(…) Parece-me que, sob as sombras de uma floresta, sou esquecido, sinto-me livre e tranquilo, como se já não tivesse inimigos ou a folhagem me protegesse dos seus ataques, tal como os afasta da minha lembrança, e imagino, estultamente, que, não pensando neles, eles não pensarão em mim. É uma ilusão doce que a ela me entregaria inteiramente se a minha situação, a minha fraqueza e as minhas necessidades mo permitissem. Quanto mais profunda é a solidão em que vivo, mais necessito que algum objecto venha preencher o seu vazio, e aqueles que a minha imaginação recusa ou que a minha memória repele são substituídos pelas produções espontâneas que a terra, não forçada pelos homens, em toda a parte oferece aos meus olhos. O prazer de ir a um deserto procurar novas plantas ocultas, o prazer de escapar aos meus perseguidores, e quando chego a locais onde não vejo quaisquer vestígios de homens respiro, mais à vontade, como se estivesse num refúgio onde o ódio já não me perseguisse.»

 

Os devaneios do caminhante solitário. Jean-Jacques Rousseau.

Read Full Post »

VER A PARTIR DE DENTRO

«E o escrever só, sem finalidade, sem projecto, porque sim, porque é assim, pode oferecer o carácter de uma acção transcendental, que só porque se trata de uma acção humaníssima é que não podemos chamar-lhe sagrada. Mas tem qualquer coisa de rito, de conjuro e, mais ainda, de oferenda, de aceitação do iniludível presente temporal, e de transitar no tempo, de ir ao seu encontro, como ele faz, pois não nos abandona. E como, por fim, o tempo se move, faz mover o ser humano; mover-se é fazer alguma coisa, fazer alguma coisa de verdade, apenas isso. Fazer uma verdade, ainda que seja a escrever.»

O homem e o divino. María Zambrano, Relógio D’Água, 1995.

Read Full Post »

CEM ANOS COM JUAN RULFO

Read Full Post »

Older Posts »