Feeds:
Artigos
Comentários

O novo título das edições Quarto de Jade viaja por uma prateleira onde se encontram, ocasionalmente, o Orso e a Bambola. Garante a janela do fundo que o jarro de 1/2 litro e o copo de 2 decilitros acompanham,  do armário desta casa, a passagem das 28 páginas que constituem este livro. Desta edição de 150 exemplares de capa dura, com uma folha desdobrável, a nossa chancela fez uma edição especial de 50 exemplares, numerados, contendo uma ilustração original. Nestes livros há diferentes constelações que esperam por um asterismo.

A edição numerada está disponível neste link: http://www.quartodejade.com/shop_books.php

Anúncios

 

Ilustração original para o poema «A verdade das chamas no caminho difícil».

Já se encontra disponível o número 12 da revista Cão Celeste, dirigida por Inês Dias e Manuel de Freitas, contando também com a coordenação gráfica de Luís Henriques. Sobre a capa verde uma ilustração de Bruno Borges dando rosto a uma continuidade literária, versando por múltiplos caminhos. Pontos altos são, para nós, as colagens de Miguel de Carvalho, os poemas de Pablo Fidalgo Lareo em «Lições das trevas», o desenho de Débora Figueiredo e «Canções sem palavras», três poemas de Antonia Pozzi. Como sempre, este novo número conta também com a publicação de artigos de análise ou reflexão, abrangendo um espectro tão distinto como as cantigas medievais Galego-Portuguesas, a poesia brasileira e os golpes de estado, além de outras notas e textos que se vão entrecortando por poemas e ilustrações. Dos sentidos da escrita para o mundo global, colaboramos neste número com uma pequena nota fazendo referência à situação de auto-imolações e censura que têm vindo a acontecer, exponencialmente, na província chinesa do Tibete; sobretudo desde 2009 até hoje. «A verdade das chamas no caminho difícil» dá nome ao poema, de um blogger anónimo tibetano, dedicado ao escritor detido Meycheh. Para tomar contacto numa revista cujas coordenadas serão tão mais distintas quanto o mundo em nosso redor se vai empobrecendo de conteúdos.

OS HOMENS SEM ROSTO

Ilustração de Diniz Conefrey para a Revista do Jornal Expresso, 1992.

Montagem de oito minutos a partir do filme «Samsara», de Ron Fricke (2012) com o tema dos Underworld «I Exhale».

TANGANHOS

“Chamam-se assim os ramos que secam nas árvores e se cortam, para que elas possam crescer melhor e dar mais fruto. Ou então, quando não se podam, aos que vão caindo ao chão e por ali ficam até serem apanhados por quem anda à cata de lenha. São muito bons para atear o fogo.”

Tanganhos, de Mariana Pinto dos Santos e ilustrado por Maria João Worm, é o primeiro livro publicado pelas Edições do Saguão, em Novembro de 2017. Formada em Agosto do mesmo ano, esta chancela propõe trazer aos leitores, em edições cuidadas, literatura e ensaio de autores nacionais e estrangeiros.

Este título, de 76 páginas, apresenta pequenos contos introspectivos com desenho gráfico de Rui Miguel Ribeiro.

Para ver mais em: Edições do Saguão – facebook ou Site da editora.

CORPO LUNAR

Um poema não é um lugar qualquer. Irradiação sentida que vibra em nervo descendo pela mão, desatando a cristalizar sentidos na ponta dos dedos, através do corpo das letras; vogando inertes na casca branca de uma folha de papel. Suavidade vegetal, incrustada de picos e seiva que da alquimia daremos voz a propósito do livro No coração de agave (Douda Correria, 2017) além de outros inéditos resgatados ao silêncio na livraria Paralelo W, mesmo ali na baixa…

SOPRO

Ilustração de Maria João Worm, 2011.

Era branco. Sabes quando não se consegue dormir e a luz fica na parede, projectada? Podemos estragar a imagem que se constituiu por anos e anos de ignorância. Sim. É o respiro das palavras. Sabes, ficam assim. Tontas. Assim. Sabes como é. A parecer assim e vai não vai. Assim. Sandálias desatadas. Nunca. Assim mesmo nunca, para nenhum lugar. E vamos fazer delas sapatos de segunda que nunca souberam proteger os pés. Pois claro que não. Pois somos de bom fundo e sabemos ver a subtileza da dor. Não sabíamos nada das cores. Respirávamos nas alcovas do desejo com um amor secreto por tudo aquilo que está para vir, com o mistério e a pureza do mundo que não fora feito pela humanidade. Calaram-se as vozes e ergueu-se o poema. No espanto da solidão caminha-se de mãos dadas. Mãos trémulas, por vozes hesitantes mas que aspiram à finalização da vida que respirada por dentro se transforma. E transforma em quê? A pergunta está deslocada, transforma-se porquê? Porque de súbito renasce a vontade de sentir. Não é aquela luz caduca e fugaz dos espectáculos mas a permanência do verbo que sente e que se altera pela combustão das cicatrizes de tudo o que, por intocável, aspira à libertação do amor.

A um mês da publicação do novo livro das Edições Quarto de Jade, partilhamos uma entrevista exclusiva, concedida ao Sabichão.

Sabichão – Depois da situação de viverem na prateleira ou dentro da gaveta, querem falar um pouco da vossa experiência de participarem neste livro?

Bambola – Ao princípio achei que provavelmente não me deveria expor, não sei se percebe…

Orso – Hum, hum. Quando nos contactaram pareceu-me que não sabiam muito bem o que pretendiam de nós…

Sabichão –  E já se conheciam?

Bambola – O Orso já tinha saído da gaveta… E eu queria muito sair da prateleira!

Orso – Lembro-me bem do dia, a Bambola perguntou-me, com um sotaque italiano delicioso, se eu lhe podia ensinar a falar correctamente português. Hum, hum!

Sabichão – E houve então um tempo de explicações?

Orso – De tal modo que a querida Bambola me re-nomeou, de Urso passei a Orso… Hum, hum!

Bambola – (risos) – Sim! Mas foi ele quem assim escolheu.

Sabichão – A ideia de passar para um livro, momentos da vossa vida, partiu de um desafio da Maria João Worm ?

Orso – Hum, sim… Ela explicou-nos que queria muito dar a conhecer a nossa voz, ela apenas registaria o que se fosse passando.

Bambola – Sim, a maior parte do tempo nem sequer tivemos presente o facto de estarmos a ser alvo de uma atenção e de uma intenção.

Sabichão – E quanto ao produtor da Quarto de Jade?

Orso – Hum, hum. Ele é responsável por uma certa tensão, sempre a querer ver as próximas cenas e a criticar pequenos detalhes.

Bambola – Então, quando apareceu o Pinóquio sem nariz o produtor pôs todo o livro em causa… Afinal nem estamos perante um registo documental, nem ficcionado. Decerto uma tendência contemporânea…

Orso – Sim, sim! Só no fim quando percebemos que todos conhecíamos a lebre da lua e que  podíamos partilhar essa graça encantadora, é que respirámos fundo…

– É inacreditável,  ninguém quer saber de nós,   nem  uma pergunta…- desabafou o jarro de 1/2 litro.

– Eu até prefiro assim- disse o copo de 2 decilitros.

A janela deixou entrar um vento que dava ares de trazer conversas de flores silvestres e passou tudo para outro plano. É mesmo bom quando se fica a sentir o sol, assim por dentro da cor que se mantém, mesmo com as pálpebras fechadas. – Acho que não são só as lagartixas que sabem isto.- murmurou o velho muro do pátio para a janela da sala que, ora abria, ora fechava.